segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Sem dor, sem ganho


Resultado de imagem para academia

Definitivamente esta frase tem tudo a ver com o filme que leva o título Sem dor, sem ganho. O roteiro mostra um personal trainer numa academia ajudando os clientes a adquirirem mais músculo e um corpo "perfeito" a partir de uma série de exercícios. Embora a trama seja mesmo sobre roubo, engano e assassinato, o título mostra que se não há esforço físico para se conquistar alguma coisa ninguém vai dar valor a nada.

É o que acontece quando a pessoa se dedica em tempo integral por alguém, seja filho, marido, parente. Você pode fazer de tudo pela pessoa que ela não vai nem agradecer. E com um agravante vai dizer que é pura obrigação ou pior, não pediu nada e você fez porque quis. 

E não me venha dizer que nunca ouviu isso de uma filha ou filho. Você cerca a pessoa de carinho, se preocupa com o que ela deve comer, vestir e torna tudo tão fácil, que vira uma obrigação. E quando você acha que vai ter reconhecimento, lá vem a frustração. Esse tipo de decepção parece que me persegue a vida toda.

Sei que é difícil entender que os filhos crescem e que a medida que se tornam adultos precisam de espaço e também de deveres a cumprir. Mas tem horas que é tanta "coisa" fora do lugar que quando a gente percebe já está arrumando tudo. Mas isso não devia virar rotina. O tempo gasto em dezenas de atividades é o tempo que vai faltar para você mesma, para aquilo que realmente tem valor,

O "sem dor sem ganho" traz também uma grande lição: Todo esforço físico para manter a forma gera energia, satisfação, cansaço, valorização. Qualquer atividade também. Se o trabalho é sempre de outra pessoa, não precisa se incomodar em manter limpo, arrumado, guardado... Concorda? Aí você reclama que trabalha demais! Filhos não são perfeitos e nem é pra ser mesmo! Eles estão em fase de crescimento, adaptação, aprendizado. E eu não estou falando de crianças de 2 ou 3 anos. Já passou dos 20? Vai à luta! Vestir a roupa limpa que a mamãe lavou é muito fácil!

Mas existem outros fatores relacionados a determinadas atitudes dos filhos que merecem uma avaliação, Nem tudo é pirraça. desleixo ou irresponsabilidade. Uma crise existencial pode estar nascendo no quarto ao lado. Preocupe-se, converse, reserve um tempo para orar e pedir ajuda divina e se for o caso até procurar a ajuda de um psicólogo. Não resuma sua colaboração em apenas lavar e passar ou prover o sustento.

O problema dos pais é achar que tudo é fase, que vai passar, que no ano que vem vai ser diferente. Acorda! O tempo só está passando pra você! E espelho não mente! Sem dor, sem ganho, ou seja, sem esforço, sem valorização. Faça uma análise das suas atividades diárias ou semanais e vai se surpreender, porque muitas delas estão relacionadas a outras pessoas.

Outro fator importante é que toda ação gera uma reação. O lado positivo é que uma mudança pode desencadear uma série de efeitos colaterais. E você tem que aprender a conviver com isso. Mas no final das contas você vai melhorar a sua qualidade de vida com atividades extras que vão te beneficiar.


Marion Vaz

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Oração em Depósito - Um Investimento Espiritual

Resultado de imagem para oração


Ao ouvir esta frase logo me veio a mente uma série de momentos que, na maioria das vezes, nos sentimos sem forças, fracos demais até para orar. Um ministro de D-us passou cerca de 15 horas com dores tão intensas que não conseguia pensar nem em orar... Então nos disse: É preciso ter oração em depósito! 

Sabe aqueles momentos em que D-us te levanta de madrugada para orar e você nem sabe por que? E naqueles dias em que você sente vontade de pedir a D-us por todos os familiares, amigos e vizinhos? Naquela madrugada fria, com insônia, sem programação boa na TV que você olha para todos os lados da sala até que seus olhos encontram a Bíblia na prateleira e você pensa: É... Vou orar! Sabe aquela oração sincera, sem pressa de terminar porque existe outras coisas pra se fazer, e que você perde a noção do tempo e fica ali aos pés do Senhor? Então... Oração em depósito!

Não que o ser humano descarte que há esta necessidade de um período de oração diário seguido de adoração e gratidão ao nosso D-us por todas as bênçãos que Ele tem derramado. Não!

Oração é aquele encontro com D-us! Aprendi neste domingo que orar é um padrão de comportamento! Aquele parênteses que você abre no meio do dia, em meio ao corre corre da vida, para ter um momento à sós com o Senhor. Não só para pedir, mas para agradecer e louvar o nome Dele.

O que é oração em depósito? Você deve estar perguntando. É mais do que aquela lista sem fim em que a pessoa apenas pede e pede... Também não é aquele grito de desespero quando você está passando por alguma privação, alguma adversidade, problemas familiares ou doenças... 

É um investimento! Não igual a uma conta bancária, poupança ou acordos... Mesmo porque tudo isso gera juros e correções monetárias que tiram mais do que se deposita. É um investimento espiritual! Assim como as nossas atitudes demostram pra D-us o que somos ou pensamos, nossa devoção, amor e dedicação, a oração diária e contínua vai somando "pontos" a nosso favor. No dia da angústia, das aflições da vida, no momento em que achamos que vamos desfalecer, o Senhor se lembra das nossas orações e nos sustenta, nos responde, nos livra. 

Porque tem horas, que a própria Palavra de D-us nos diz, que é o Espírito de D-us que intercede por nós com gemidos inexprimíveis, de tanto que estamos sofrendo e precisando de ajuda. A oração em depósito é indispensável. Ninguém pense que:
- "D-us é bom e Ele me livra mesmo eu estando assim ou daquele jeito..." - Pense sim, que muitas vezes tal livramento se deu por causa da oração em depósito de outra pessoa que também intercede diariamente,

Ore mais! Estabeleça limites nas atividades cotidianas para ter tempo de buscar ao Senhor.

Sejamos crentes, não apenas como adereço de uma religiosidade, mas crendo no poder de D-us em nossas vidas e que ele nos livra não porque somos "crentes", mas por causa do seu amor para conosco.



Marion Vaz


domingo, 26 de junho de 2016

Consciência Judaica




Existe um sentido para a crença, independentemente se o indivíduo é religioso, simpatizante ou até mesmo laico. O mundo judaico não absorve a cultura, a fé ou as tradições de outro povo é isso é notório. Claro que existem as exceções, pessoas que resolvem não assumir sua religiosidade e passam a pensar e agir de acordo com aquilo que acreditam ser uma sociedade à parte da religião. E isso acontece em qualquer país que se permita o livre arbítrio.

Mas em relação ao povo judaico, a cultura pode marcar seu território e não é incomum detectar isso. Aconteceu num programa de televisão denominado Casamento à primeira vista, onde duas pessoas passam por várias entrevistas a fim de encontrar o seu par ideal. Um grupo de sociólogos resolve unir aqueles que acham que são compatíveis e que poderão se casar. Nenhum dos pretendentes se conhece, não trocam e-mail, não veem a foto do outro. Somente na hora do casamento é que podem estar frente a frente.

No episódio em questão, após o casamento, vão para a “lua de mel” a fim de conheceram mais um ao outro. Vários casais estão passando pelo mesmo processo. Só que um rapaz era judeu. Como a mulher com que ele se casou era cristã católica, e a festividade natalina estava próxima, ele resolveu comemorar o evento com a sua esposa. Bem... O rapaz comprou uma árvore de natal e os enfeites e fez uma surpresa para ela.

A moça ficou feliz e falava sem parar: “Nós temos uma árvore de natal” – ele contestava: “Você tem uma árvore” – Ela não parecia ouvir e repetiu: “Nós temos enfeites...” Ele afirmou: Você tem enfeites!”.

Isso me pareceu bem lógico! Esta consciência judaica enraizada no coração, os preceitos e tradições que fizeram parte da infância e juventude ainda bem solidificadas na mente e no dia a dia. Com certeza o casal vai enfrentar novos desafios até mesmo sobre outros assuntos visto que desejam viver juntos. Mas o rapaz me pareceu bem determinado quanto a sua crença ao fazer tais declarações.



Marion Vaz.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Lidando com as perdas,,,

Só quem já perdeu alguém da família pode imaginar o que sentimos numa hora dessas. A morte de Matheus, filho da cantora Eyshila afetou toda a Comunidade Gospel recentemente. Um problema de saúde e suas complicações o fizeram entrar em coma e todos nós oramos e pedimos a Deus por uma cura, uma vitória, um desfecho diferente daquele apresentado pela equipe médica. Mas aprouve ao Senhor recolher um rapaz tão jovem para Si. Lembro-me agora da passagem bíblica no livro de Gênesis sobre Enoque (Gn 5.24) o que nos traz um pouco de refrigério. Lembro-me de quando perdi um sobrinho e depois perdi meu pai e que a dor da separação foi insuportável por muito tempo, Então sei o que a família do rapaz está passado e respeito este momento de dor e sofrimento. Pedimos a Deus que console cada coração. Matheus se vai mas a lembrança fica eternamente, 


domingo, 12 de junho de 2016

Quando Deus perdeu a fé nos homens...



A frase em si me parece desconexa. Mesmo porque Deus não perde nada. Nunca! Mas a ideia do filme Legião marca uma Nova Era na vida da humanidade. Um dos personagens explica que Quando Deus perdeu a fé nos homens da primeira vez, mandou o dilúvio. Mas agora Deus estava tão descontente que resolveu mandar a Terra um exército de aberrações para destruir todo ser criado. No desenrolar do filme aparece uma mulher grávida e a criança é a esperança da continuidade da raça humana.

Como o intento de Deus estava ameaçado por esta criança, começa uma série de ataques contra a família que no caso, não conseguia entender o que estava acontecendo. Dois seres celestiais surgem e se confrontam: Miguel e Gabriel. O primeiro se rebelou contra Deus e resolveu ajudar a salvar a criança, que no futuro iria liderar uma rebelião contra o próprio Deus para salvar (?) a humanidade. Ele, o arcanjo Miguel, não tinha perdido a fé nos homens.

O Anjo Gabriel que batalhava a favor do cumprimento da vontade de Deus atacou impiedosamente a família em questão, que vivia numa lanchonete no meio do nada. Ele também feriu Miguel. Ao final da batalha, a criança sobreviveu, Gabriel foi absolvido por Deus por sua boa ação e Miguel recebeu uma repreensão pelo fato de não ter tido compaixão.

Criatividade à parte, como é que Deus vai ficar desapontado com o ser falível, humano e com livre arbítrio que o próprio Criador formou? Eu entendo que passagens bíblicas parecem oferecer esse tipo de sentimento quando, por exemplo, Deus informa a Abraão que iria destruir Sodoma e Gomorra por causa do pecado, quando quer fazer uma nova geração a partir de Moisés, e que tem catástrofes em várias partes da Terra que parecem mesmo que o Senhor está usando até a própria Natureza para punir o homem!

Mas segundo o texto bíblico, Miguel é um arcanjo muito importante que está diante de Deus, um anjo de guerra que luta contra as hostes do diabo. Gabriel é um mensageiro de Deus, um anjo cujas atividades estão relacionadas à nação de Israel. Segundo a palavra do próprio Jesus, Deus tem legiões de anjos ao seu dispor, anjos que louvam o seu nome pela eternidade, anjos dispostos a obedecer e agir a favor da humanidade sob as ordens do Eterno.

No Antigo e Novo Testamento encontramos uma parcela considerável de passagens bíblicas que mostram anjos em contato com o homem, passeando pelas cidades, visitando pessoas levando uma mensagem de Deus. No caso de Sodoma e Gomorra, os anjos eram agentes de destruição em massa, porque os homens feriram a santidade do Criador. Mas essa ideia de um Deus vingativo que o filme quer passar, de um Deus frustrado com as ações dos homens...

É importante entender que um dos atributos de Deus é a onisciência, ou seja, Deus sabe todas as coisas antes que elas aconteçam. Quando Deus criou o homem e a mulher e os colocou no Jardim do Édem, ele já sabia que num dado momento, a mulher iria pegar o fruto proibido e comer e também dar ao seu marido. Deus não ficou surpreso ou desapontado com aquela atitude.

Cada autor tem liberdade de escrever uma história conforme a sua criatividade, por isso nosso artigo não tem a intenção de criticar ou desmerecer o talento do autor da obra. Mas confesso que a frase: “Deus perdeu a fé nos homens” me chamou a atenção, por que na maioria dos filmes em que a vida está ameaçada como “O dia depois do amanhã”, “2012”, “Missão ao centro da Terra”, “Independece Day”, a pessoa de Deus é sempre relevante e a fé no Criador um tipo de energia que faz o homem lutar pela sobrevivência. Mas, neste filme, Deus está mais para vilão do que para super-herói.

Marion Vaz